Criptococose mata 2 homens: doença do pombo pode ser transmitida até por capôs de carros infectados

Fezes de morcego, árvores, como o eucalipto ou que tenham locais ocos, podem conter o fungo Cryptococcus e infectar tanto quanto as aves

Você já ouviu falar em criptococose? A doença, conhecida como doença do pombo, é causada pelo fungo Cryptococcus e pode ser grave. Um exemplo são dois homem que morreram em Santos, litoral de São Paulo, durante o mês de julho, devido infecção pelo fungo, de acordo com informações da Secretaria Municipal de Saúde do município.

Como ocorre a contaminação?

Em entrevista para o Portal R7, o infectologista João Prats explica que passar em uma calçada que tenha cocô de pombo é normal e não é ali que se pega a doença, porque é um local arejado e não haverá o acúmulo desses fungos. “Mas uma pessoa que tem um carro que está com o capô cheio de fezes do pombo, não limpa e fica dentro do veículo por muito tempo, ela pode estar sujeita à infecção”, afirma o médico.

De acordo com o infectologista a doença não é comum, já que as pessoas não costumam ficar expostas em lugares que possam ter tais sujeiras.

Infecciosa, a criptococose é causada pela aspiração do fungo. No caso dos pombos, segundo os médicos, a transmissão se dá pela exposição prolongada (mais de um um dia ) a uma grande quantidade de fezes. O fungo se instala no pulmão e pode infectar o corpo todo. Pela dificuldade do diagnóstico e possíveis complicações, como a meningoencefalite.

O infectologista explica que existem duas variedades desse fungo. Uma delas é o Cryptococcus neoformans, uma forma mais branda do micro-organismo capaz de causar a doença apenas em pessoas com imunidade baixa, com doenças autoimunes, pessoas em tratamento quimioterápico e portadores de HIV. O médico comenta que esse fungo está espalhado pela cidade.

A outra forma é o Cryptococcus gattii, com mais potencial de gerar a doença, também se manifesta de forma mais grave. Esse tipo do fungo afeta tanto pessoas saudáveis como pessoas baixa imunidade e está presente em árvores e fezes de alguns pássaros que costumam pousar em árvores que contenham o fungo.

O infectologista Alexandre Barbosa, que também é professor de infectologia da Universidade Estadual de São Paulo, alerta que a doença não é causada apenas pelo pombo, mas também por fezes de morcego e árvores, como o eucalipto ou que tenham locais ocos, podem conter esse fungo e infectar tanto quanto as aves.

Gravidade

Apesar de ser contraída por vias respiratórias, a doença pode afetar pulmão, próstata, linfonodos e cérebro.

Sintomas

Dor de cabeça intensa e progressiva, que duram pelo menos duas semanas, febre de cerca de 39° C, sintomas de meningite, como nuca endurecida, enjoos, náuseas, vômitos, colvulsões, visão turva e fotofobia (sensibilidade à luz).

* Fonte: Portal R7

Redação Folha Vitória14 de Agosto de 2019 às 12:35Atualizado 14/08/2019 12:35:35

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *