Febre maculosa mata 40% dos contaminados, alerta especialista

A médica infectologista Tânia Marcial, representante da prefeitura da cidade, destaca que as pessoas devem procurar atendimento ao apresentar qualquer sintoma.

A confirmação de três mortes causadas por febre maculosa em Contagem, na Grande BH, está deixando a população em alerta. A médica infectologista Tânia Marcial, representante da prefeitura da cidade, destaca que as pessoas devem procurar atendimento ao apresentar qualquer sintoma, por se tratar de uma doença grave. Segundo a especialista, em Minas Gerais, 40% dos pacientes contaminados morrem.

Contudo, a média de óbitos de 2019 no estado já passou do índice apresentado pela médica. Um levantamento da Ses (Secretaria de Estado de Saúde) mostra que dos sete casos confirmados da doença, até o momento, cinco não resistiram à enfermidade. Ou seja, uma taxa de letalidade de 71,4%.

Quatro cidades tiveram notificações com diagnóstico positivo. São elas: Governador Valadares, com 1 caso e sem mortes; Raul Soares, com um óbito; Faria Lemos, com uma morte e um paciente vivo; e Contagem, com três falecimentos confirmados.

O caso da cidade da região metropolitana de Belo Horizonte é um dos mais preocupantes. Lá, além das mortes, 28 pessoas se apresentaram em hospitais com sinais de contaminação. Uma quarto óbito segue sendo investigado.

Contaminação em família

Segundo a Prefeitura de Contagem, a maior parte dos pacientes supostamente contaminados tiveram contato com o carrapato-estrela, transmissor da bactéria que causa a febre maculosa, enquanto limpava um terreno no bairro Vila Boa Vista.

O grupo com 128 pessoas, sendo a maioria da mesma família, se reuniu para capinar e cercar a área. No local, vivem cavalos e capivaras, hospedeiros do carrapato. As três vítimas que morreram também faziam parte da mesma ação.

Doença

Tânia Marcial explica que a doença afeta pessoas de toda faixa etária, mas as vítimas mais comuns são homens e jovens, que geralmente têm mais contato com áreas onde existem carrapatos. Outra observação é que não há vacina para se prevenir, mas existe cura.

— A taxa de letalidade de 40% é muito alta. Por isso, as pessoas devem procurar o posto médico o quanto antes para iniciar o tratamento, que é à base de anti-bióticos.

A doença pode se espalhar em qualquer época do ano. Porém, é mais comum durante os meses secos, que facilitam a reprodução dos parasitas. A médica destaca que os sintomas podem surgir até 14 dias após a picada. Eles se assemelham a sinais de outras doenças. Confira a lista:

• Febre alta

• Dor no corpo

• Dor de cabeça

• Falta de apetite

• Desânimo

Medidas
Após o registro de casos, a Prefeitura de Contagem isolou a rua próxima ao local de contaminação, aplicou remédios na área e nas casas do entorno. Além disso, cavalos cujos donos não foram localizados foram recolhidos para receber banho de carrapaticida.

Orientação
Segundo orientação das equipes de saúde, quem estiver em áreas onde possa existir carrapato-estrela deve examinar o corpo a cada três horas, usar roupas claras e compridas, colocar as barras da calça para dentro das meias e usar sapatos fechados e de cano alto.

Redação Folha Vitória

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *