Estrada turística de Pedra Menina está sucateada e população pede melhorias

A situação é precária na ES 190, que faz parte do programa “Caminhos do Campo”, do Governo Estadual, no trecho que liga os distritos de Mundo Novo a Pedra Menina, em Dores do Rio Preto. O descaso do poder público está manchando a imagem do cartão postal do Caparaó.

O caminho está tomado por buracos e fragmentos e o asfalto cedeu e foi parar dentro do leito do rio.

Turistas, empresários e moradores da região reclamam da situação instável da via. Com aproximadamente 47 quilômetros, o trecho da ES 190, que corta os municípios de Dores do Rio Preto, Divino de São Lourenço, Ibitirama, Iúna e Irupi, é a principal opção de entrada ao Parque Nacional do Caparaó, que é considerado um paraíso turístico do Estado.

Atuação da Prefeitura

O prefeito de Dores do Rio Preto, Claudenir José de Carvalho Neto, o “Ninho” (PDT), relata que para dar condições de tráfego à população, o município realiza atividade como mutirões de limpeza, contando com auxílio da comunidade local.

“A situação da estrada está precária. Falta de limpeza nas margens da rodovia, buracos, asfalto tortuoso e estreito, o que causa acidentes e isso vem acontecendo há aproximadamente oito anos”, aponta o prefeito.

A secretaria de Agricultura de Dores do Rio Preto disse que diversas vezes esteve em reunião com a Secretaria Estadual de Agricultura (SEAG), com encaminhamento de ofícios, incluindo relatórios fotográficos para uma melhoria na via.

Dentre os prejuízos destaca-se a interferência na escolha de visitação ao Pico da Bandeira, localizado no Parque Nacional do Caparaó.

A secretaria diz que tal fato prejudica imensamente o crescimento municipal, que apesar de estar em processo de avanço significativo, acaba sofrendo pela omissão do Estado na conservação da via.

“Outro aspecto prejudicial é a quantidade de emprego e renda que deixa de ser gerado no município, lesando não somente a população, mas também a máquina pública em si”, detalha Ninho.

Escoamento da produção

A área agrícola também está sendo afetada gravemente pela falta de manutenção do trecho, pois compromete o escoamento da produção local.

Apesar do município ser reconhecido nacionalmente pelos cafés de alta qualidade, a lavoura cafeeira não é a única a movimentar a economia local, outras culturas assumem papel relevante, como, milho, feijão, a produção leiteira e de silagem, sendo Pedra Menina, o distrito com maior concentração da produção agrícola do município.

Um dos fatores mais relevantes é a falta de segurança na estrada. A quantidade de buracos e vegetação na via coloca em risco a vida dos que trafegam no local.

“O município é gravemente afetado, pois a população de Pedra Menina, por várias vezes, opta em ir para Espera Feliz/MG, gerando receita para o município vizinho”, disse o prefeito.

SEAG

Em nota, a Secretaria Estadual de Agricultura (SEAG) lamentou a precariedade da estrada e colocou a culpa na gestão anterior.

“Lamentamos que o programa Caminhos do Campo tenha sido abandonado nos últimos quatro anos. Técnicos da secretaria têm realizado vistorias em todos os trechos existentes no Estado para ter um diagnóstico atual da situação. Em breve, a SEAG fará uma licitação para a retomada das obras de manutenção do programa”, informou a SEAG, por meio de nota.

Turismo prejudicado

Um dos pontos fortes da economia do Caparaó é o turismo. Segundo a empreendedora e ativista do Caparaó, Dalva Ringuier, os trechos de Mundo Novo a Pedra Menina, e Mundo Novo até Pedra Roxa, receberam o asfalto do programa Caminhos do Campo há cerca de nove anos e ainda ficou faltando o trecho que liga Pedra Roxa a BR 262, e 10 quilômetros entre Santa Marta a Ibitirama, que nunca mais tiveram manutenção.

A via tem crateras enormes e buracos de ponta a ponta em péssimo estado de conservação. Essa estrada é o principal caminho dos turistas desses municípios com seus atrativos naturais, portaria capixaba do Parque Nacional do Caparaó, cachoeiras, além de roteiros turísticos, observação de aves, cafés especiais, cicloturismo e o Pico da Bandeira, que recebe visita de turistas de todo o País e de várias partes do Mundo.

“A precariedade da estrada iniciou há cerca de seis anos, pois a qualidade do asfalto é muito ruim e não atende o fluxo de veículos pesados que entram por Ibitirama e saem em Dores do Rio Preto. Nunca teve manutenção. Esses são os trechos em piores condições de transitar, com perigo inclusive de acidentes constantes”, explica Dalva.

Donos de pousadas insatisfeitos

Entre pousadas, restaurantes, cafeterias, agroindústrias, áreas de lazer com Cachoeiras, a região engloba cerca de 70 empreendimentos que estão prejudicados. Buracos, sinalização precária, estrada estreita e sem acostamento, falta de contorno nas comunidades, são as reclamações mais comuns dos moradores do entorno da ES 190.

O empresário José Carlos Thiebaut Jr, proprietário da pousada Recanto do Caparaó, mora em Bom Jesus do Itabapoana/RJ, mas todo o final de semana viaja à Pedra Menina, por conta de sua pousada. Ele conta que devido a precariedade da estrada até assaltos, devido a baixa velocidade da via, estão ocorrendo no local.

“A situação da estrada está péssima, muitos buracos e mato invadindo a pista. Há pelo menos dois anos a estrada se encontra mal cuidada. Isso acaba gerando um prejuízo para a região, já que os turistas não querem correr o risco de pegar essa estrada”, reclama Thiebaut Jr.

Apaixonado pela região do Caparaó desde 1984, o aposentado Sergio Luiz da Silva Murrer, que em 2000 adquiriu o sítio Recanto Pedra Menina que na estrada que liga a vila de Pedra Menina a portaria do Parque Nacional do Pico da Bandeira, também se mostra insatisfeito com a situação da rodovia.

“Desde a entrega, a estrada apresentou uma série de problemas, tais como o tamanho das pontes, a falta de cuidado e a qualidade do asfalto, havendo casos em que ao invés de retirar pedras, foi colocado asfalto sobre as mesmas ocasionando descontrole na direção dos veículos”, destaca Murrer.

Sérgio Luiz afirma que os hóspedes que chegam na pousada pela estrada reclamam da qualidade do asfalto, que em casos específicos pode até danificar o automóvel. Quando necessita de orientação para chegar na pousada, ele recomenda que o turista passe pela estrada de Minas Gerais, que segundo ele, é mais segura e melhor, tornando a viagem bem mais rápida para completar a mesma distância.

“Hoje em dia não faço mais uso desta estrada, pois o abandono a tornou intransitável com relação a segurança e a preservação do veículo. Quando algum hóspede chega a Pedra Menina por esta estrada a reclamação é assustadora, principalmente quando querem conhecer a região de Patrimônio da Penha. Eles voltam indignados e questionam:  como pode uma região linda e bem propícia para o turismo estar tão abandonada deste jeito?”, finaliza.

Fonte: Aqui Notícias.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *