‘Quando ela falou que eu ia apanhar em casa meu pé chega tremeu’, diz menino abandonado pela mãe em terminal

A criança, de 8 anos, afirmou à reportagem da TV Vitória que é frequentemente agredido pela mulher e que já sangrou por causa de uma agressão.

O menino de 8 anos, que foi deixado para trás pela própria mãe no terminal de Itacibá, em Cariacica, afirma que é frequentemente agredido pela mulher. Em entrevista exclusiva à equipe de reportagem da TV Vitória/Record TV, a criança conta que já sangrou por causa de uma agressão que a mãe teria cometido.

“Um dia eu não estava fazendo nada, aí quebrou um negócio e ela colocou a culpa em mim. Aí eu falei que não era eu. Ela meteu a mão na minha cara e sangrou meu nariz”, relatou.

Segundo a polícia, a mulher, de 26 anos, tentou abandonar a criança no terminal, na noite de sexta-feira (19). Ela foi detida e encaminhada para a Delegacia de Cobilândia, em Vila Velha – já que a Delegacia Regional de Cariacica passa por reformas, segundo a Polícia Civil.

A Polícia Militar informou que recebeu um chamado, via Ciodes, por volta das 19 horas, para atender uma ocorrência de maus-tratos. Quando os militares chegaram, se depararam com duas criança e a mãe delas.

“De início, o segurança, que foi quem acionou o Ciodes, nos passou que uma senhora, que estava com duas crianças pequenas, havia embarcado num ônibus com uma das crianças e deixado a outra para trás, no terminal. [Disse] que esse ônibus chegou a dar partida, sentido ao destino, e só parou mesmo a viagem porque foi solicitado pelo segurança que o ônibus parasse para que a mulher descesse do ônibus e buscasse a criança”, contou a cabo Gabriely, da Polícia Militar.

Questionada sobre a situação, a mulher teria dito à polícia que se cansou do filho mais novo. “Ela foi muito objetiva na resposta que ela nos deu. Ao ser indagada, ela disse que cansou da criança, que não aguentava mais o comportamento dele, que ele estava brigando muito com o irmão, de 10 anos – ele tem 8 – e que ela não aguentava mais. Que ele estava correndo pelo terminal e que ela não ia embora para casa com ele. Que amanhã ou semana que vem, quando possível, ela buscaria no conselho tutelar ou talvez encontraria ele até morto, porque, para ela, não fazia mais diferença. Ela não queria a criança”, completou a policial.

O menino de 8 anos disse que ficou com medo quando a mãe disse que o agrediria novamente. “Ela foi atrás de mim e falou bem assim: ‘quando você chegar em casa, você vai apanhar’. Aí eu fugi. Quando ela falou que eu ia apanhar em casa, rapaz… meu pé chega tremeu”, relatou.

Além da mulher, os dois filhos dela foram encaminhados para a delegacia.

Conselho Tutelar

Segundo a Polícia Civil, diante da denúncia, o Conselho Tutelar de Cariacica foi acionado e tentou conversar com a mulher. “Ela não quis conversar com a gente, não quis fornecer endereço. Ela estava alterada, com sintomas de embriaguez e a Polícia Militar conseguiu puxar, pelo documento dela, o endereço. E uma das crianças falou o bairro onde moram”, afirmou o conselheiro tutelar Marcos Paulo Fonseca.

Segundo Fonseca, agora o conselho tutelar passa a monitorar a família. “A gente vai tentar achar a família extensa. Em último caso, se a gente não conseguir achar nenhum familiar, a gente faz o acolhimento”, frisou.

Redação Folha Vitória

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *