Comboio do Exército chega a Guaçuí para instalar ponte móvel

O comboio do Batalhão de Engenharia do Exército – composto por cinco carretas bitrem e outros veículos –  já está em Guaçuí para a instalação da ponte móvel na BR 482. Os equipamentos que saíram na madrugada de hoje (8), do Rio de Janeiro, chegaram por volta das 16 horas em Guaçuí.

A ponte do Aésio, que será substituída pela estrutura metálica, foi interditada no dia 25 de fevereiro pelo Dnit por apresentar risco de cair. A situação foi constatada pela Defesa Civil de Guaçuí, que comunicou o órgão.

Durante a interdição, a prefeitura de Guaçuí realizou serviços de terraplanagem, melhorias e alargamento numa estrada vicinal que está sendo utilizada como desvio do tráfego que passava pela ponte, na BR 482. Porém, a situação acabou trazendo problemas para os bairros onde passa o fluxo de veículos, principalmente, os pesados. A prefeitura realizou bloqueios para tentar impedir esse tipo de trânsito, mas os bloqueios foram retirados pelos motoristas de carretas e caminhões.

O gerente da Defesa Civil, Thiago Raposo, esteve no local e presenciou a chegada dos militares. Ele disse estar otimista com o início das obras. “Nossos transtornos têm hora marcada para terminar. As obras começam amanhã cedo e vão durar 15 dias.”, disse o gerente.

Empenho

Desde a interdição, foi pedido agilidade ao Dnit para que se normalizasse o tráfego de veículos pela rodovia federal. Num primeiro momento, o órgão responsável informou, então, a possibilidade de ser instalada uma ponte provisória do Exército, até que a ponte de concreto seja recuperada. Uma equipe do Batalhão de Engenharia do Exército esteve no município no início de março, quando foi recebida pela prefeita Vera Costa, que coordenou as providências a serem tomadas para que os militares sejam instalados e possam realizar os serviços, inclusive, intermediando o contato com o Corpo de Bombeiros que irá alojar o pessoal do Exército.

A prefeita Vera Costa reconheceu que após mais de quarenta dias de incertezas quanto ao início das obras, o empenho das reuniões teve êxito. Para ela, o início das obras vai trazer de volta o bem estar da população que estava passando por transtornos tendo prejuízos por causa do trânsito de cargas dentro da cidade em função do desvio. “Nos empenhamos, desde o primeiro dia da interdição da ponte, na BR 482, colocando tudo que estava a nosso alcance para colaborar com o Dnit, visando uma solução rápida, porque a ponte é muito importante para nosso município e toda a região e, principalmente, para tirar o fluxo de veículos pesados e intenso que está passando por dentro de bairros de nossa cidade.”, afirma a prefeita Vera Costa.

Divulgação PMG

A instalação da ponte metálica deve durar cerca de 15 dias.

Fonte: Aqui Notícias.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *