Diarista é encontrada morta dentro de casa; causa da morte ainda é um mistério

Vizinhos pularam o muro e encontraram o corpo da mulher de bruços e com marcas de queimaduras.

Uma diarista, de 38 anos, foi encontrada morta dentro da própria casa, em Barramares, Vila Velha, na noite de segunda-feira (01). A irmã da vítima contou que o corpo tinha marcas de queimaduras. A família afirma não conseguir entender o que pode ter motivado o crime.

A vítima foi identificada como Cirleide Pinheiro de Moura. A irmã contou que achou estranho o fato de Cirleide não ter aparecido em sua casa durante o dia, o que era rotina para elas, que eram vizinhas. A sobrinha da vítima, filha da irmã, disse que passou na porta da casa da tia quando chegava na escola e viu que um portão estava fechado, mas um outro estava aberto, juntamente com a porta. A jovem ainda disse que a televisão da tia estava ligada.

No final do dia, a irmã da vítima continuou achando estranho o sumiço de Cirleide e a sobrinha relatou o que tinha visto. Com isso, a irmã foi até o local e chamou os vizinhos. Um deles pulou o muro e foi até lá, mas não viu ninguém na sala. Quando chegou nos fundos da casa, ele encontrou Cirleide caída no chão, de bruços e sangrando.

A perícia da Polícia Civil esteve no local. O corpo foi levado ao Departamento Médico Legal (DML) de Vitória. Segundo a irmã, Cirleide estava com marcas de queimadura, mas não sabiam qual era o real motivo da morte.

A irmã disse que passou todo o dia de domingo ao lado Cirleide e que ela estava feliz, inclusive, fazendo planos para o futuro. A irmã da vítima também contou que durante a tarde de domingo (31), o namorado de Cirleide, esteve na casa dela por algumas horas. Eles beberam juntos, mas quando o homem foi embora, a irmã conta que ela ficou triste. “Quando perguntei o que estava acontecendo, ela falou que ele dizia coisas que ela não gostava”, afirmou a irmã.

Outra situação que está deixando familiares preocupados é que o namorado de Cirleide desapareceu depois que o corpo dela foi encontrado. “Ele não apareceu e desligou o telefone. Ligamos de números diferentes, mas ele não atendeu de jeito nenhum. O telefone tocava, mas ele não atendeu”, contou.

De acordo com a polícia, o resultado do laudo da causa da morte de Cirleide deve demorar de 15 a 30 dias para ficar pronto. Uma outra irmã da diarista esteve no DML na manhã desta terça-feira (02) para liberação do corpo.

A Polícia Civil informou que a Delegacia de Homicídio e Proteção à Mulher está investigando o caso. Até o momento, não houve detidos. A família da vítima informou que o velório será realizado em Barramares e o enterro acontece nesta quarta-feira (03) no cemitério de Ponta da Fruta.

Redação Folha Vitória

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *